Biblioteca Florestal
Digital

Rotações de eucaliptos mais longas: análise volumétrica e econômica

Show simple item record

dc.contributor.author Rodriguez, Luiz Carlos Estraviz
dc.contributor.author Bueno, Ana Raquel Santos
dc.contributor.author Rodrigues, Fabiano
dc.date.accessioned 2016-04-08T13:08:17Z
dc.date.available 2016-04-08T13:08:17Z
dc.date.issued 1997-06
dc.identifier.citation RODRIGUEZ, L. C. E.; BUENO, A. R. S.; RODRIGUES, F. Rotações de eucaliptos mais longas: análise volumétrica e econômica. Scientia Forestalis, Piracicaba, n. 51, p. 15-28, jun. 1997. pt_BR
dc.identifier.issn 2318-1222
dc.identifier.uri http://www.bibliotecaflorestal.ufv.br:80/handle/123456789/17473
dc.description.abstract The rotation definition problem in eucalypt plantations managed under non coppice regimes is revisited. Based on a graphical method proposed by Binkley (1987), we analyze the conditions that justify longer economic rotations when compared to rotations defined by the mean annual increment (MAI) maximization criteria. Assumptions are that the yield curve is known and the forest is clear cut at the rotation age. The prevailing thought that economic rotations are always shorter than maximum MAI rotations is proven false. Eucalypt plantations in Brazil usually present maximum MAI between the sixth and the tenth year of growth. It is proved that longer rotations can be justified when the analysis uses interest rates smaller than the reciprocal of the maximum MAI age. Therefore, even at interest rates as high as 16.5 % per annum, the economic analysis would frequently recommend rotations close to, or even longer than, the rotation that maximizes MAI. Effects on the economic rotation due to changes of product price, planting cost and growth assumptions are also discussed. pt_BR
dc.description.abstract Este trabalho reapresenta o problema da determinação da idade ótima de corte para ciclos de uma única rotação em florestas de eucaliptos. As condições que justificam rotações mais longas do que a rotação que maximiza o incremento médio anual (IMA) são apresentadas com base na análise gráfica proposta por Binkley (1987). Assume-se corte raso no final da rotação e o conhecimento prévio da curva de produção da floresta em função da idade. Mostra-se que é incorreto generalizar a idéia de que rotações economicamente ótimas são sempre mais curtas do que rotações volumetricamente ótimas. Os plantios de eucalipto no Brasil apresentam em geral máximo IMA entre o sexto e décimo ano de crescimento. Esse fato é de fundamental importância, pois demonstra-se que a idade economicamente ótima pode ser superior à idade que maximiza IMA sempre que forem utilizadas taxas de juros inferiores ao inverso da idade para a qual o eucaliptal apresenta máximo IMA. Isto é, rotações mais longas ou próximas à idade que maximiza IMA poderiam ser economicamente justificadas mesmo para taxas de juros entre 10% e 16,7% ao ano. Essas e outras relações importantes pt_BR
dc.format 14 páginas pt_BR
dc.language.iso pt_BR pt_BR
dc.publisher Instituto de Pesquisas e Estudos Florestais pt_BR
dc.relation.ispartofseries Scientia Forestalis:,n.51;
dc.subject.classification Ciências Florestais::Manejo florestal::Dendrometria e mensuração florestal pt_BR
dc.subject.classification Ciências Florestais::Manejo florestal::Economia e otimização florestal pt_BR
dc.title Rotações de eucaliptos mais longas: análise volumétrica e econômica pt_BR
dc.title Longer eucalypt rotations: volumetric and economic analysis pt_BR
dc.title Rodrigues pt_BR
dc.type Artigo pt_BR

Files in this item

Files Size Format View
Scientia_Forestalis_n51_p15-28_1997.pdf 250.0Kb application/pdf View/Open ou Pre-visualizar

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record

Search DSpace


Sobre a Biblioteca Florestal

Browse

My Account