Biblioteca Florestal
Digital

Conseqüências biológicas da fragmentação no norte do Paraná

Show simple item record

dc.contributor.author Anjos, Luiz dos
dc.date.accessioned 2015-08-04T18:27:10Z
dc.date.available 2015-08-04T18:27:10Z
dc.date.issued 1998-12
dc.identifier.citation ANJOS, L. Conseqüências biológicas da fragmentação no norte do Paraná. Piracicaba: IPEF. Série Técnica, v. 12, n. 32. 1998. 8p. pt_BR
dc.identifier.uri http://www.bibliotecaflorestal.ufv.br:80/handle/123456789/14756
dc.description O conteúdo é apresentado em: Introdução; Local de estudo; Metodologia; Resultados; Discussão; Agradecimentos; Referências bibliográficas. pt_BR
dc.description.abstract A atividade agrícola que se desencadeou no norte do Estado do Paraná a partir de 1920, em função da fértil "terra roxa", trouxe sérias conseqüências ao ambiente natural: a outrora contínua floresta estacional semidecidual foi rapidamente reduzida a pequenos e esparsos fragmentos florestais. A redução da área florestal foi tão drástica que atualmente restam menos de 2% da cobertura original. Extinção de espécies e alteração na comunidade faunística, especialmente em relação ao grupo aves, têm sido freqüentemente documentadas no Brasil, como no mundo, em paisagens compostas por fragmentos florestais (Willis, 1974, 1979; Bierregaard e Lovejoy, 1988; Vielliard e Silva, 1990; Anjos, 1992, 1994; Aleixo e Vielliard, 1995). Inexistem registros da fauna que habitava a região norte do Estado do Paraná antes da fragmentação. Mesmos expedições de naturalistas europeus não cruzaram a região. Entretanto, em entrevistas com pioneiros da cidade de Londrina, algumas espécies mais marcantes, como a harpia Harpia harpija, foram citadas como habitantes na região. Por outro lado, através destas mesmas entrevistas, espécies de espaços abertos como o joão-de-barro Furnarius rufus não eram conhecidas; estas aves foram possivelmente beneficiadas pelo aumento de superfície das áreas abertas, decorrente do desmatamento. Os efeitos da fragmentação florestal não são homogêneos nos diversos grupos faunísticos porque a utilização do fragmento pelos diversos taxa é bastante variável. Em relação aos recursos alimentares, muitos mamíferos (felinos) dependem mais do habitat matrix. Morcegos freqüentemente se alimentam de insetos fora dos fragmentos florestais. Primatas como o macaco-prego Cebus apella, no entanto, são claramente dependentes das árvores. A seguir são apresentados dados preliminares sobre os efeitos da fragmentação no norte paranaense com base em estudos de campo, enfocando o grupo aves, conduzidos a partir de 1993 em cinco fragmentos florestais na região de Londrina. pt_BR
dc.format 8 páginas pt_BR
dc.language.iso pt_BR pt_BR
dc.publisher Instituto de Pesquisa e Estudos Florestais pt_BR
dc.relation.ispartofseries Série Técnica;32
dc.subject.classification Ciências Florestais::Meio ambiente::Ecologia e ecossistemas florestais pt_BR
dc.title Conseqüências biológicas da fragmentação no norte do Paraná pt_BR
dc.type Boletim Técnico pt_BR

Files in this item

Files Size Format View
ipef-serie-tecnica-1998-v-12-n-32-p-87-94.pdf 132.8Kb application/pdf View/Open ou Pre-visualizar

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record

Search DSpace


Sobre a Biblioteca Florestal

Browse

My Account