Biblioteca Florestal
Digital

Plantações de essências nativas: florestas de proteção e reflorestamentos mistos

Show simple item record

dc.contributor.author Kageyama, Paulo Yoshio
dc.date.accessioned 2015-07-03T19:42:00Z
dc.date.available 2015-07-03T19:42:00Z
dc.date.issued 1990-01
dc.identifier.citation KAGEYAMA, P. Y. Plantações de essências nativas: florestas de proteção e reflorestamentos mistos. Piracicaba: Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz” - Universidade de São Paulo. Documentos Florestais, n. 8. 1990. 6p. pt_BR
dc.identifier.uri http://www.bibliotecaflorestal.ufv.br:80/handle/123456789/14467
dc.description Apresentação do conteúdo: 1 - Introdução; 2 - Plantações de produção e de proteção; 3 - A sucessão secundária e plantações mistas; 4 - Plantações mistas de espécies nátivas; 5 - Bibliografia. pt_BR
dc.description.abstract No Brasil, a silvicultura evoluiu como uma atividade voltada grandemente para a produção de matéria prima para indústrias boas na utilização de madeiras e fibras. As plantações têm se restringido às espécies e procedências de árvores que melhor atendem às necessidades industriais e que melhor respondem, em termos de produtividade, às condições geradas pelo emprego de alta tecnologia silvicultural. Só recentemente, o conceito de uso múltiplo de florestas plantadas ressurgiu como um objetivo básico, com propósitos recreacionais, de proteção do solo e dos recursos hídricos e de conservação genética animal e vegetal. Nos restringiremos à discussão de aspectos relacionados às plantações, com ênfase nos sistemas mistos compostos por espécies arbóreas nativas. O primeiro grande desafio para o estabelecimento com sucesso destas plantações é a definição de que espécies utilizar. Existem poucas informações silviculturas a respeito de árvores nativas e as espécies que conhecemos relativamente bem, embora aptas para atender à produção industrial, geralmente não são as mais adequadas para objetivos como produção de pequena escala ou proteção ambiental. Além de quais espécies utilizar, a definição de que sistema de plantio deve ser empregado, também tem suscitado discussões . O sistema de plantações mistas compostas de árvores nativas parece ser o mais adequado para atender aos objetivos propostos, por manterem, embora parcialmente, os processos que caracterizam a eficiência de conservação ambiental dos sistemas florestais naturais. Apresentam, também, uma maior amplitude para o uso múltiplo da floresta. Quantas espécies? Quantos indivíduos de cada espécie? Qual o melhor arranjo para distribuir as espécies nas plantações? Estes são exemplos de questão que ainda aguardam uma resposta adequada. pt_BR
dc.format 6 páginas pt_BR
dc.language.iso pt_BR pt_BR
dc.publisher Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz” - Universidade de São Paulo pt_BR
dc.relation.ispartofseries Documentos Florestais;8
dc.subject.classification Ciências Florestais::Silvicultura::Florestamento e reflorestamento pt_BR
dc.title Plantações de essências nativas: florestas de proteção e reflorestamentos mistos pt_BR
dc.type Boletim Técnico pt_BR

Files in this item

Files Size Format View
ipef-documentos-florestais-1990-n-8.pdf 22.19Kb application/pdf View/Open ou Pre-visualizar

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record

Search DSpace


Sobre a Biblioteca Florestal

Browse

My Account