Biblioteca Florestal
Digital

Fichário do Educador Ambiental

Show simple item record

dc.contributor.author Departamento de Educação Ambiental
dc.date.accessioned 2015-07-03T14:39:09Z
dc.date.available 2015-07-03T14:39:09Z
dc.date.issued 2008-09
dc.identifier.citation DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL. Fichário do Educador Ambiental. Brasília: MMA. Coleciona, ano 1, v. 2. 2008. 54p. pt_BR
dc.identifier.uri http://www.bibliotecaflorestal.ufv.br:80/handle/123456789/14456
dc.description Apresentação do conteúdo: 1 – Notícias da EA; 2 – Textos para se pensar a EA; 3 – Coletivos educadores; 4 – Salas verdes; 5 – Coletivos jovens e com-vidas; 6 – Cooperação internacional; 7 – Educomunicação; 8 – Agenda da EA; 9 – Indica-se. pt_BR
dc.description.abstract Assim como a expressão “ambiental” veio complementar o conceito de educação, para designar um tipo de conhecimento e práticas específicos relacionados aos problemas e às soluções ambientais, a expressão vivencial complementa a educação ambiental e designa pedagogias, conceitos e práticas que buscam diversificar os mecanismos pelos quais se aprende, já que a educação ambiental, nas formas mais conhecidas e difundidas, priorizou as pedagogias fundadas na informação e na sua transmissão. O processo educativo da educação ambiental vivencial considera os indivíduos de forma integral, incluindo e priorizando o aprendizado através do corpo, dos sentidos e da percepção mais sutil de si mesmos, dos outros, do mundo, da natureza, e dos processos vitais que dão origem e sustentam a vida, cuidando para que as informações científicas não se interponham na interação de aprendizagem e mascarem ou inibam os processos de natureza mais delicada. É importante considerar que, se de um lado o foco apenas no conhecimento científico, na organização e transmissão de informações, pode ter um resultado limitado por não ter ressonância no corpo das pessoas – apesar dos apelos alarmistas e realistas – para gerar processos de mudança de comportamento, por outro lado, apenas trabalhar com questões emo- tivas e focadas nos sentimentos, ainda que essencial, também não é, por si só, suficiente para gerar as mudanças necessárias. É preciso que os processos educativos atuem no centro da vontade, onde se localiza nosso reservatório de motivação e energia para a ação. E, eviden- temente, apenas a vontade não gera mudanças, pois estas precisam ser fundamentadas, com- preendidas e capazes de gerar processos de criatividade que consigam tirar os indivíduos do círculo vicioso em que vivem. O conhecimento precisa se tornar consciente. A natureza humana precisa ser considerada por inteiro, para que seus diferentes aspectos se tornem conscientes e se interconectem. pt_BR
dc.format 54 páginas pt_BR
dc.language.iso pt_BR pt_BR
dc.publisher Ministério do Meio Ambiente - MMA pt_BR
dc.relation.ispartofseries Coleciona;v.2
dc.subject.classification Ciências Florestais::Meio ambiente::Educação ambiental pt_BR
dc.title Fichário do Educador Ambiental pt_BR
dc.type Boletim Técnico pt_BR

Files in this item

Files Size Format View
Coleciona-2008-ano-1-vol-2_MMA.pdf 5.480Mb application/pdf View/Open ou Pre-visualizar

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record

Search DSpace


Sobre a Biblioteca Florestal

Browse

My Account