Biblioteca Florestal
Digital

Compensação da fertilização de base em mudas de Colubrina glandulosa Perkins e Handroanthus ochraceus (Cham.) Mattos produzidas em tubetes

Show simple item record

dc.contributor.advisor Davide, Antônio Claudio
dc.contributor.author Ventura, Maria José da Silva
dc.date.accessioned 2015-06-08T13:13:51Z
dc.date.available 2015-06-08T13:13:51Z
dc.date.issued 2012-07-02
dc.identifier.citation VENTURA, M. J. S. Compensação da fertilização de base em mudas de Colubrina glandulosa Perkins e Handroanthus ochraceus (Cham.) Mattos produzidas em tubetes. 2012. 134 f. Tese (Doutorado em Engenharia Florestal) - Universidade Federal de Lavras, Lavras. 2012. pt_BR
dc.identifier.uri http://www.bibliotecaflorestal.ufv.br:80/handle/123456789/14042
dc.description Tese de Doutorado defendida na Universidade Federal de Lavras pt_BR
dc.description.abstract As espécies nativas apresentam grande diversidade nas suas exigências nutricionais, dificultando a recomendação generalizada de adubação e tamanho adequado dos recipientes. A produção de mudas em recipientes de pequenos volumes, associada a técnicas adequadas de viveiro, como adubação, pode garantir a produção de mudas de boa qualidade, reduzindo custos e tempo do processo produtivo. Na produção de mudas de espécies florestais utilizam-se tubetes de maiores volumes, proporcionando maior quantidade de substrato, fertilizante e espaço para crescimento. Porém, não se conhece ainda o efeito da compensação de fertilizante em tubetes menores, tornando necessários estudos com o objetivo de verificar se o uso deles, com maiores doses de fertilizante, leva à produção de mudas de qualidade equivalente a daquelas produzidas em tubetes maiores. Assim, este trabalho foi realizado com o objetivo de verificar a influência da compensação de doses de fertilizante e volume de tubetes na produção de mudas de Colubrina glandulosa e Handroanthus ochraceus. O experimento foi conduzido no Viveiro Florestal da Universidade Federal de Lavras (UFLA), na cidade de Lavras, MG. Foi montado em delineamento inteiramente casualizado, com 12 tratamentos em esquema fatorial 6 x 2 (6 doses de fertilizante e dois volumes de tubete). As sementes foram semeadas em tubetes de polietileno com volume de 55 e 115 cm3, preenchidos com substrato composto por vermiculita média, esterco de curral curtido peneirado, casca de arroz carbonizada e fibra de coco na proporção de 1:2:3:4. A este substrato foram adicionadas doses de fertilizante de liberação controlada da marca Osmocote, nas seguintes dosagens: 3,5; 4,5 e 5,5 kg.m -3 . Para testar o efeito da compensação nutricional, foram calculadas doses para que ambos os recipientes recebessem 0,19; 0,24; 0,30; 0,40; 0,51 e 0,63 g/tubete, tendo a dosagem calculada para preencher os tubetes de 55 cm3 sido de 3,5; 4,5; 5,5; 7,3; 9,4; 11,5 kg.m -3 de fertilizante e, para o tubete de 115 cm3, foram usadas as doses de 1,67; 2,15; 2,63; 3,5; 4,5 e 5,5 kg.m -3 . Foram realizadas duas adubações de cobertura, utilizando solução de MAP + KCl, com dosagem proporcional àquela da adubação de base, em que recipientes que receberam adubações de base em maiores concentrações também receberam adubações de cobertura em maiores concentrações. Foram realizadas medições de altura e diâmetro do coleto a cada 15 dias, sendo iniciadas a partir do 75° dia após a semeadura, até os 150 dias. Os pesos secos (matéria seca da parte aérea e das raízes) foram tomados somente aos 150 dias. Com este trabalho foi possível constatar que as espécies estudadas responderam de maneiras diferentes ao manejo no viveiro. A Colubrina glandulosa não mostrou diferença no crescimento ao se realizar a compensação de fertilizante, o que demonstra que esta espécie necessita de maior espaço para raízes, o que influencia diretamente o seu crescimento. Já a espécie Handroanthus ochraceus se mostrou responsiva ao aumento da dosagem de fertilizante nos menores recipientes, uma vez que, após a compensação nutricional, as mudas provenientes dos tubetes de 55 cm3 apresentaram dimensões iguais ou superiores àquelas produzidas em tubetes de 115 cm3. pt_BR
dc.description.abstract Native species are diverse in their nutritional requirements hindering the widespread recommendation for fertilizing and proper size of the containers. The production of seedlings in small volumes containers, associated with proper techniques and nursery fertilization, can guarantee the production of good quality planting material costs and timeline of the production process. In the production of seedlings of forest species are used larger tubes, providing a larger amount of substrate, fertilizer and room for growth, but does not yet know the effect of fertilizer compensation in smaller tubes, making necessary studies in order to verify if the use of smaller tubes with higher doses of fertilizer lead to the production of seedlings of equivalent quality to those produced in larger tubes. Thus, this study aimed to assess the effect of compensation fertilizer doses and volume of tubes in the Colubrina glandulosa and Handroanthus ochraceus seedlings production. The experiment was conducted at the Forest Nursery, in the Federal University of Lavras (UFLA), in Lavras MG. The experiment was a completely randomized design with 12 treatments in a factorial scheme 2 x 6 (six doses of fertilizer and two volumes of tubes). The seeds were sown in polyethylene tubes with a volume of 55 and 115 cm3, filled with a substrate composed of vermiculite, sieved cattle manure, rice hulls and coconut fiber at a ratio of 1:2:3:4. In this substrate were added doses of controlled-release fertilizer (trademark Osmocote) in the following dosages: 3.5, 4.5 and 5.5 kg.m -3 . To test the effect of nutritional compensation doses were calculated for both containers received 0.19, 0.24, 0.30, 0.40, 0.51 and 0.63 g / tube, and the dosage calculated for fill the tubes of 55 cm3 was 3.5, 4.5, 5.5, 7.3, 9.4, 11.5 kg.m -3 fertilizer dose and the plastic tube of 115 cm3 were used doses of 1.67, 2.15, 2.63, 3.5, 4.5 and 5.5 kg.m -3 . There were made two fertilization coverage using MAP + KCl solution at a dosage proportional to that of the basis fertilizing, where the recipients who received basic fertilization in higher concentrations also received fertilization coverage at higher concentrations. Measurements were made of height and stem diameter for each 15 days, started from the 75th day after sowing to 150 days. The dry weight (dry matter of shoots and roots) were tested only at 150 days. With this work it was established that the species responded differently to management in the nursery. Colubrina glandulosa showed no difference in growth when performing fertilizer compensation, showing that its specie requires more space for roots which directly influences the species in its growth. Handroanthus ochraceus proved be responsive to increasing the dose of fertilizer in smaller containers, since after clearing nutritional seedlings from the tubes of 55 cm3 had dimensions equal to or superior to those produced in tubes of 115 cm3. pt_BR
dc.format 134 folhas pt_BR
dc.language.iso pt_BR pt_BR
dc.publisher Universidade Federal de Lavras pt_BR
dc.subject.classification Ciências Florestais::Silvicultura::Solos e nutrição florestal pt_BR
dc.subject.classification Ciências Florestais::Silvicultura::Propagação e fisiologia de espécies florestais pt_BR
dc.title Compensação da fertilização de base em mudas de Colubrina glandulosa Perkins e Handroanthus ochraceus (Cham.) Mattos produzidas em tubetes pt_BR
dc.type Tese pt_BR

Files in this item

Files Size Format View
Tese_Maria-Jose-da-Silva-Ventura.pdf 583.9Kb application/pdf View/Open ou Pre-visualizar

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record

Search DSpace


Sobre a Biblioteca Florestal

Browse

My Account