Biblioteca Florestal
Digital

Materiais para formulação de substratos na produção de mudas e no cultivo de plantas envasadas

Show simple item record

dc.contributor.author Souza, Francisco Xavier de
dc.date.accessioned 2014-12-08T11:34:53Z
dc.date.available 2014-12-08T11:34:53Z
dc.date.issued 2000
dc.identifier.citation SOUZA, F. X. Materiais para formulação de substratos na produção de mudas e no cultivo de plantas envasadas. Fortaleza: Embrapa Agroindústria Tropical, Documentos, n. 43. 2000. 21 p. pt_BR
dc.identifier.issn 0103 5797
dc.identifier.uri http://www.bibliotecaflorestal.ufv.br/handle/123456789/13075
dc.description Apresentação do conteúdo: 1 - Introdução; 2 - Descrição de alguns materiais para formulação de substratos; 3 - Substratos industrializados; 4 - Misturas; 5 - Referências pt_BR
dc.description.abstract Os modernos sistemas de produção de mudas e o cultivo de plantas em vasos exigem a adoção de inovações tecnológicas como sistemas de nebulização intermitente, reguladores de crescimento, casas de vegetação e estufas automatizadas, recipientes recicláveis como bandejas e tubetes, viveiros suspensos, bancadas móveis e substratos leves, livres de patógenos e que não agridam o ambiente. Na horticultura, tradicionalmente, utilizam-se como substrato misturas de solo e estercos de origem animal, os quais possuem composição química, física e biológica variável e são meios de disseminação de plantas daninhas, nematóides e patógenos, necessitando, portanto, de tratamento com agroquímicos, que, na sua maioria, são tóxicos ao homem, à fauna, à flora e ao ambiente. Outro inconveniente é o alto peso específico des- ses materiais que dificulta o manuseio e encarece o transporte das mudas. Esses fatores transformam o substrato em um dos insumos mais importantes no cultivo de plantas envasadas e na produção de mudas de plantas. O substrato deve possuir qualidades superiores às do solo, principalmente quanto a aeração, permeabilidade, poder de tamponamento para pH, capacidade de retenção de nutrientes e estabilidade de estrutura; deve ser livre de sementes e propágulos de plantas daninhas, de patógenos e pragas, além de permitir boa agregação e distribuição das raízes para facilitar a retirada da muda do recipiente. Portanto, na formulação de um substrato, é preciso conhecer as características físicas (densidade aparente, porosidade e capacidade de retenção de umidade), químicas (pH, capacidade de troca de cátions, salinidade, composição química e relação C/N) e biológicas (presença de sementes e propágulos, plantas daninhas, insetos, fungos e bactérias fitopatogênicas) de seus componentes. No Brasil, existem diversos materiais orgânicos e minerais que não agridem o ambiente e podem ser utilizados para formulação de substratos, quais sejam: cascas de árvores, de frutos, resíduos de agroindústrias, restos de folhas, compostos orgânicos, turfas, vermiculita, entre outros. pt_BR
dc.format 21 páginas pt_BR
dc.language.iso pt_BR pt_BR
dc.publisher Embrapa Agroindústria Tropical pt_BR
dc.relation.ispartofseries Documentos;43
dc.subject.classification Ciências Florestais::Silvicultura::Propagação e fisiologia de espécies florestais pt_BR
dc.title Materiais para formulação de substratos na produção de mudas e no cultivo de plantas envasadas pt_BR
dc.type Boletim Técnico pt_BR

Files in this item

Files Size Format View
Documentos_43.pdf 730.9Kb application/pdf View/Open ou Pre-visualizar

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record

Search DSpace


Sobre a Biblioteca Florestal

Browse

My Account