Biblioteca Florestal
Digital

Exigências térmicas de Thyrinteina arnobia (Stoll, 1782) e efeitos da temperatura na sua biologia

Show simple item record

dc.contributor.author Peres Filho, Otávio
dc.contributor.author Berti Filho, Evoneo
dc.date.accessioned 2014-10-27T17:15:20Z
dc.date.available 2014-10-27T17:15:20Z
dc.date.issued 2003
dc.identifier.citation PERES FILHO, O.; BERTI FILHO, E. Exigências térmicas de Thyrinteina arnobia (Stoll, 1782) e efeitos da temperatura na sua biologia. Ciência Florestal, Santa Maria, v. 13, n. 2, p. 143-151, 2003. pt_BR
dc.identifier.issn 0103-9954
dc.identifier.uri http://www.bibliotecaflorestal.ufv.br/handle/123456789/12229
dc.description.abstract O objetivo deste trabalho foi obter dados sobre as exigências térmicas de Thyrinteina arnobia (Stoll, 1782) e estudar os efeitos da temperatura em sua biologia. Os estudos foram conduzidos no Laboratório de Biologia de Insetos, do Departamento de Entomologia, da Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”, da Universidade de São Paulo, em 1989. Para a determinação das exigências térmicas de T`.arnobia empregaram-se câmaras climatizadas reguladas para as seguintes temperaturas: 18, 22, 25, 30 e 32oC, mantidas constantes. A umidade relativa do interior das câmaras foi 60±10% e a fotofase de 14 horas. As lagartas foram alimentadas com folhas de Eucalyptus grandis, trocadas diariamente. Em todas as temperaturas determinou-se: viabilidade e a duração do período de incubação, a mortalidade nas fases de larva (primeiro ínstar, pós-primeiro ínstar e larval total), pré-pupa, pupa e os defeitos nas pupas e nos adultos. As durações das fases de larva, pré-pupa, pupa e adulta e o peso das pupas foram determinados, com 24 horas de idade, para ambos os sexos e também separadamente, em todas as temperaturas. Os períodos de pré-postura, postura e pós-postura; número de posturas/fêmea; número total de ovos/fêmea e viabilidade das posturas/fêmea, foram obtidos apenas nas temperaturas de 22, 25 e 32oC. Os resultados permitiram concluir que a mortalidade, a duração das fases de desenvolvimento e o peso de pupas são afetados pela temperatura; a condição térmica mais adequada para o desenvolvimento de Thyrinteina arnobia é de 25oC; as temperaturas base são de 9,0oC para a fase de ovo; 11,72oC (♂) e 11,40oC (♀) para a fase de larva; 8,10oC (♂) e 10,89oC (♀) para a fase de pré-pupa; 11,73oC (♂) e 11,74oC (♀) para a fase de pupa; 10,07oC (♂) e 11,91oC (♀) para o período de desenvolvimento pós-embrionário; as constantes térmicas são de 156,123 GD para a fase de ovo; 413,750 GD (♂) e 496,236 GD (♀) para a fase de larva; 26,368 GD (♂) e 22,156 GD (♀) para a fase de pré-pupa; 146,266 GD (♂) e 133,164 GD (♀) para a fase de pupa; 855,120 GD (♂) e 637,479 GD (♀) para o período de desenvolvimento pós-embrionário. pt_BR
dc.description.abstract This paper deals with the thermal requirements of Thyrinteina arnobia (Stoll, 1782) and the effect of temperature in its biology. The experiments were set at the Laboratory of Forest Entomology, “College of Agriculture Luiz de Queiroz”, University of São Paulo, Piracicaba, State of São Paulo. The thermal requirement of Thyrinteina arnobia were determined by using climatic chambers regulated at the following temperatures: 18, 22, 25, 30 and 32oC. The relative humidity inside of the chambers was 60±10% and the photophase of 14 hours. The caterpillars were fed with leaves of Eucalyptus grandis, changed daily. The viability and the duration of the incubation period as well as the mortality in the larval phase (first instar, post first instar and larval total), prepupa and pupa phases and the malformation in the pupae and in the adults were determined. The duration of the larva, prepupa, pupa and adult phases were obtained for both sexes and also separately, in all the temperatures. The periods of preoviposition, oviposition, and postoviposition; number of egg masses/female; total number of eggs/female and viability of the oviposition/female were only observed at the temperatures of 22o, 25o, and 32oC. The results indicated that mortality, duration of the developmental phases and the weight of pupae are affected by the threshold temperatures are: 9,0oC for the egg phase; 11.72oC (♂) and 11.40oC (♀) for the larval phase; 8.10oC (♂) and 10.89oC (♀) for the prepupal phase; 11.73oC (♂) and 11.74oC (♀) for the pupal phase; 10.07oC (♂) and 11.91oC (♀) for the postembryonic development period; the thermal constants are 156.123 GD for the egg phase; 413.750 GD (♂) and 496.236 GD (♀) for the larval phase; 26.368 GD (♂) and 22.156 GD (♀) for the prepupal phase; 146.266 GD (♂) and 133.164 GD (♀) for the pupal phase; 855.120 GD (♂) and 637.479 GD (♀) for the postembryonic development period. pt_BR
dc.format 9 páginas pt_BR
dc.language.iso pt_BR pt_BR
dc.publisher Universidade Federal de Santa Maria pt_BR
dc.relation.ispartofseries Ciência Florestal:v.13,n.2;
dc.subject.classification Ciências Florestais::Silvicultura::Proteção florestal: pragas e doenças pt_BR
dc.title Exigências térmicas de Thyrinteina arnobia (Stoll, 1782) e efeitos da temperatura na sua biologia pt_BR
dc.title Thermal requirements of Thyrinteina arnobia (Stoll, 1782) and effects of the temperature in its biology pt_BR
dc.type Artigo pt_BR

Files in this item

Files Size Format View
Ciência_Florestal_v13_n2_p143-151_2003.pdf 144Kb application/pdf View/Open ou Pre-visualizar

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record

Search DSpace


Sobre a Biblioteca Florestal

Browse

My Account